segunda-feira, 18 de maio de 2009

Soul Mate

O post anterior ficou realmente muito bonito, assumo isso deixando de lado a minha humildade. O único problema é que ele não foi escrito para ninguém. A cada frase lembrei de momentos que passei com pessoas diferentes. Passei por períodos de nostalgias sinestésicas porque até cheiro e arrepio eu senti. Amo.

Quando escrevi lembrei que amar é bom demais. Recordei que namorar é realmente um desafio, que você se prende, você se perde, você perde a cabeça, mas no fim tudo se resolve, e tudo acaba em sexo e risadas. Lembrei quando almoçava no centro só pra ficar perto de um deles. E de quando eu ia pra peças de teatro só para acompanhar o outro. As intermináveis horas abraçados que o tempo não se atrevia a mexer, os sorvetes no tronco da árvore. Lembrei de quando fiquei nua pela primeira vez na frente desse outro. Como foi engraçado e prazeroso. Quando fui um caminho inteiro de mais de 30 minutos chorando e ouvindo uma música que eu sabia que nunca mais conseguiria escutar, porque estava indo embora.

Não pude deixar de rever meu sorriso radiante, incontrolável, quando via que estava a nascer um sorriso no rosto dele, os abraços. Lembrei dos minutos antes de começar a acender a luz no cinema. Dos amassos sem experiência, das descobertas. Das palavras pervertidas que eu nunca tinha ouvido e que me assustava. Do cheiro na hora que dancei forró com ele pela primeira vez.

E o mais impressionante de tudo, hoje a noite aconteceu. Eu sonhei com o homem da minha vida. Aquele ser que nunca teve um rosto, só de atitudes e cheiros ontem ganhou forma. Ontem me abraçou, me apertou, meu beijou, me acariciou e eu acordei. Acordei de mau humor, com vontade de xingar a tudo e a todos, impossível ter acabado o tempo.... Agora, horas depois de acordada consigo lembrar apenas de algumas feições, acho que não conseguiria nem fazer um retrato falado....Mas sim, ele existe, e sim...ele é de uma beleza imensa.

O homem da minha vida...